Perda de Dentes. Causas e Consequências

Tartaro o que é e como atua
Tártaro. O que é e Como Atua?
11 Julho, 2017
utilizar-fio-dentario
Como Utilizar o Fio Dentário
11 Julho, 2017
Show all

Perda de Dentes. Causas e Consequências

perda-dentes-causas-consequencias

Problemas e doenças de natureza oral têm um impacto muito significativo no bem-estar pessoal, quer físico quer mental das pessoas. Doenças como diabetes ou problemas cardiovasculares podem interferir na sua saúde oral mas também os processos de higienização são importantes para a preservar.

Portugal é um dos países que menos vai ao dentista na Europa e isso reflete-se quando se verifica que também estamos no topo ao analizar a taxa de falta de dentes a nível Europeu.

 

Quais as principais causas de perda dos dentes?

As principais causas que levam à perda da dentição compreendem maioritariamente doenças antecedentes ao efeito da perda dos dentes. Estas podem ser:

  • Gengivite, por sequente Periodontite. A degradação da gengiva que no fundo é parte do suporte do dente e do próprio dente leva a que o dente comece a desprender-se do maxilar por falta de suporte. A periodontite pode progredir de forma a provocar a perda total da dentição.
  • Cáries! A deterioração do dente através de bactérias destrói o esmalte e toda a sua estrutura.
  • Impacto causador de trauma dental. Uma queda, ou um impacto de outra origem podem provocar a perda momentânea do dente, ou causar fraturas que se manifestarão mais tarde face a infeções adquiridas nessa fratura.
  • Ranger os dentes! O hábito de ranger os dentes, também denominado de Bruxismo, é um péssimo hábito. O constante atrito provocado causa desgaste no esmalte dos dentes e pressão no seu suporte, podendo levar à fragilização da sua estrutura.
  • Deformação dentária ou maxilar. Ter um mau posicionamento dos dentes pode levar a uma má higienização de toda a superfície dentária. Pode também levar a contatos prematuros, sobrecarregando alguns dentes. A posição anormal do dente muitas vezes deixa-o fora do osso de suporte, comprometendo a longevidade do mesmo.
  • Tratamentos evasivos ao organismo. A realização de tratamentos como a quimioterapia e radioterapia, ou a medicação de componentes supressores do metabolismo ósseo podem causar fragilização dental óssea e consequentemente a perda do dente.
  • Remoção de um dente. A remoção ou perda de algum dente irá causar no dente adjacente que o suporta stress por falta de apoio nesse local. O espaço deixado irá fazer com que os dentes se possam movimentar e desprender da gengiva por falta de pressão oposta. Por esta razão é importante substituir os dentes perdidos, para manter a conformidade total da boca.

 

Que consequências provém da perda da dentição?

A ausência parcial ou total de dentes traz graves consequências a nível da saúde física e emocional. Para além de dificultar a mastigação, a nível interpessoal este problema dificulta a comunicação, o que promove o isolamento pessoal. Uma elevada taxa de pessoas que sofrem com grande volume de perda de dentes muitas vezes recorre a apoio psiquiátrico e a medicação, face a depressões que facilmente atingem este público.

Para além de problemas psicológicos a perda de dentição pode vir acompanhada de dores de cabeça, ouvidos, tonturas e até problemas musculares e de articulações.

A perda total dos dentes define-se por edentulismo.

 

Como resolver a perda de dentição?

Infelizmente a perda de dentes não consegue ser revertida – não é possível fazer um dente nascer novamente nem sará-lo.

A única solução deste problema é a colocação de um dente artificial onde outrora esteve o dente original. Para a reposição de um dente artificial pode-se recorrer a próteses dentárias removíveis, fixas e implantes.

As próteses fixas são as mais recomendáveis face ao conforto que proporciona ao paciente e à funcionalidade que exibe, substituindo por completo a função do dente original. Dentro das próteses fixas existem duas hipóteses. A prótese fixa sobre os dentes e a prótese fixa sobre o implante.

De longe, o implante é a melhor solução para solucionar o problema. Para além de não precisar de suporte dos dentes adjacentes, é o que melhor imita o dente original em termos de funcionalidade e estética. Para além de ser um procedimento rápido, este é indolor e não apresenta sintomas no seu pós-operatório. 

 

Como já explicitado em artigos anteriores, a correta higiene oral e consultas de rotina são a melhor maneira de prevenção possível. Após a perda do dente, nada pode refazer o processo. Apenas um implante dentário pode substituir e realizar as tarefas de um dente comum na sua totalidade.